quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

1000 para a conta numa só atividade


Radicado em Muriaé desde 2002,  atleta amador, apaixonado por bicicleta, Paulo Savoia cumpre seu maior desafio pessoal numa prova internacional de 1000 km de percurso.

Na primeira vez que foi realizado um Audax Internacional no Brasil, o ciclista muriaense Paulo Savoia participou e concluiu seu desafio pessoal de pedalar por pouco mais de 1.000 km em uma única atividade, como é proposto aos desafiantes da modalidade Randonneur.
Com origem na França, o estilo randonneur é uma modalidade de ciclismo de regularidade. Muito conhecido no Brasil como Audax, são provas de longa distância em que o atleta tem um tempo limite para completar determinada quilometragem. Não há competição, o mais rápido e o mais lento que completam dentro do limite recebem a mesma `premiação`que é pedalar a etapa seguinte, com quilometragem maior. Começam com 200 km, seguem para 300 km, depois para 400 km e se tornam um Super Randonneur ao completarem a prova de 600 km.


O frio, o cansaço e as estradas solitárias assustavam, mas a vontade de completar o desafio foi muito maior.

Para Paulo Savoia a vontade de aumentar o desafio foi maior. Conheceu a modalidade em 2016 quando foi dar apoio a um amigo que estava participando do Audax 200 que estava sendo realizado em Itaperuna, percebeu que era um estilo de prova que lhe agradava. Decidiu se preparar para a temporada de 2017. Participou de cada etapa e como num susto, sentiu-se preparado para participar da prova de 1.000 km.

Em alguns pontos específicos os participantes deveriam comprovar sua passagem pelo local através de uma foto tirada com a sua bicicleta devidamente numerada, que foi conferido pela organização. Eram chamados de PCV's ou Pontos de Controle Virtual.

A prova partiu da cidade de Bagé, RS, onde deveriam ir até a cidade Maldonado, Punta del Este, no Uruguai. Os pouco mais de 1.000 km possuíam uma altimetria de 9.000 m de elevação acumulada, que representa subir do mar até o Pico da Bandeira quase 4 vezes.
Paulo Savoia completou sua prova com 53 horas de pedaladas, algumas paradas para alimentação e descanso, totalizando mais de 73 horas de prova; saindo no dia 11 de novembro às 13 h e chegando no dia 14, às 15 horas.


Temperaturas que variaram do frio intenso ao calor que também bateu forte, principalmente na chegada, após ultrapassar a barreira dos 1000 km rodados.

O feito foi comemorado pelos grupos dos quais faz parte, rendendo a confecção de um uniforme exclusivo, como também um troféu comemorativo, independente da organização da prova.
Esse desafio envolveu uma série de planejamentos e testes que Savoia cumpriu à risca, desde o preparo físico e mental, sobre seu equipamento, também o planejamento da viagem. A alimentação foi uma grande preocupação, já que consideramos o combustível do ser humano. Foram 12 meses de preparação nutricional. Seu irmão, Rafael Savoia, nutricionista conhecido no meio ciclístico por acompanhar a alimentação e suplementação de diversos atletas, foi seu preparador e quem montou todo o roteiro de ganho de peso controlado para enfrentar a prova, além do controle de suplementação aplicado no dia do desafio, bem como a recuperação.
Diante de várias experiências que viveu, tanto no Brasil como no exterior, ele afirma que foi, até agora, o maior feito ciclístico da sua vida. Está preparado para outros desafios do ciclismo, bem como para a vida, pois a bicicleta traz ensinamentos constantes que se aplicam em todas as esferas do ser humano que pratica.





Atividade no Strava:
https://www.strava.com/activities/1275091291

Passaporte ou brevet, usado para o controle da prova:

Troféu e uniforme exclusivos, dedicado pelo grupo Guerreiros das Montanhas:




Este canal de notícias do ciclismo regional parabeniza o feito de Paulo Savoia, assim como de todos os participantes que concluíram essa prova.

___________
Texto: Eduardo Almeida

Fotos: Arquivo pessoal de Paulo Savoia

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Ciclista de Muriaé vence prova do Campeonato Mineiro de Ciclismo em Coimbra

 

O ciclista de Muriaé Higor Teixeira Resende foi o campeão, em sua categoria, da prova do Campeonato Mineiro de Ciclismo, realizada  no último domingo (5) em Coimbra - cidade que fica cerca de 73km de Muriaé. O muriaeense conquistou ainda o 2º lugar geral.
Ao todo, 150 atletas de várias partes do país participaram da prova que teve um percurso de 90km, sendo 6 deles de serra. Aliás, Higor disse que foi neste trecho que conseguiu abrir vantagem em relação aos outros concorrentes. O muriaeense e outros dois ciclistas se isolaram na ponta e revezaram os 45km seguintes até a chegada.
Higor chegou no 2º lugar geral, mas foi o campeão da categoria Master A. Outro muriaeense, Fabrício Mendes, foi o 5º colocado. Ambos fazem parte da equipe Monsters Bikers.



Texto: Rádio Muriaé (http://radiomuriae.com.br/noticias/ciclista-de-muriae-vence-prova-do-campeonato-mineiro-de-ciclismo-em-coimbra)

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Miraí revela sua história através da bicicleta


Circuito de MTB leva seus participantes para o contato com a natureza e também para visitar as fazendas históricas que formataram a economia e a soberania da cidade.

Ciclistas encheram a cidade de cores e movimento. Foto: Eduardo Almeida

Arraial do Brejo quase fez sentido real no dia 22 de outubro para os ciclistas e a organização do evento quando viram as pancadas de chuva na noite do dia anterior. Miraí, ou naquela época Mirahy, era conhecida pelo grande brejo formado pelo rio Fubá e pequenos afluentes formadores do Rio Muriaé que, por sua vez, é o maior afluente da bacia do Paraíba do Sul. Terra fértil, bem irrigada, Miraí se despontou com riqueza e pujança a partir da parte baixa da Fazenda 3 Barras onde cresceu a cidade em torno da Capela de Santo Antônio. Com a notícia espalhada, outros empreendedores da época compraram terras e fundaram outras fazendas, como SOBrasil, Peroba, Ponte Nova, Santa Cruz, Miracatu, Fortaleza, entre outras, levando a cidade ao ápice da economia regional.Os ciclistas inscritos no Primeiro Mirahy Cycle Tour puderam percorrer o entorno dessas fazendas históricas, até mesmo descer em uma trilha que conecta a fazenda Santa Cruz até a Miracatu, participando não apenas de um passeio, mas de um circuito que revela a beleza dessa história municipal. São fazendas em ruínas e outras com reformas sofisticadas onde todas preservam sua imponência e a grandeza da economia da qual foram marca temporal. É o município da Zona da Mata que mais possui fazendas históricas de acordo com informações coletadas. 

 Ciclistas paravam no trajeto para fotografar as fazendas históricas que faziam composição com as belezas naturais do município. Foto: Eduardo Almeida

Nem mesmo os ciclistas que passavam apressados deixavam de ver a suntuosidade de algumas fazendas. Foto: Jonathas Abrantes(Ultra Fotos)

Fábio Picoli que é de Juiz de Fora comentou: "Gostaria de parabenizar toda a organização do evento, pois foi muito organizado, com empenho de todos. Café e almoço excelente e uma sinalização do trajeto muito bem feita. Pontos de apoio com água e frutas deu segurança para os participantes que se desafiaram no trajeto que revelou a essência da cidade. Recomendo o evento que transcorreu sem falhas".

Fábio Picoli em foto de arquivo pessoal, curtindo as paisagens do trajeto.

Superação
Dois exemplos de superação encantaram os demais participantes. O primeiro é sobre Edinardo Martins Rouxinol Filho que tem 17 anos, estudante, de Miraí. Ele possui uma bicicleta pesada e muito simples. Fez sua inscrição no evento atraído pela beleza que o esporte já havia lhe mostrado em pequenos passeios ao redor da cidade. Edinardo conseguiu cumprir todo o trajeto ELITE, com 56  km e uma altimetria acumulada desafiadora, mostrando que não é apenas a qualidade da bicicleta que pode levar uma pessoa para conhecer sua própria região, mas sim a sua força de vontade de querer e se dispor a conquistar.

Rafael Duvanel fez questão de fazer uma selfie ao lado do "bruto" Edinardo. Foto: Rafael Duvanel.

Outro exemplo é o de uma ciclista. Norma Suely Almeida Fois, de Leopoldina, com seus 62 anos, sempre curtiu aventuras. Morou em Salvador, onde andava de bicicleta, mas sempre fazendo trajetos simples e planos.
Há quatro anos foi surpreendida com a notícia de um câncer.  Surgiu nesse momento uma nova Norma, com vontade de viver intensamente. Após 2 anos de tratamento, com dores, porém com apoio da família, optou por voltar a morar em  Leopoldina, sua terra natal, com suporte de tratamento da fundação do câncer em Muriaé. Depois de tentar varias atividades, após um drástico aumento de peso, Norma encontrou uma loja de bicicletas e resolveu ter uma novamente. Após começar a dar pedaladas em uma bike simples, durante o tratamento, já estava percorrendo alguns bons quilômetros. Resolveu procurar uma nova bike, porque sentia os benefícios refletidos já sobre o tratamento.  Emagreceu, transformou sua capacidade fisica e já estava fazendo mais de 50 km de trajeto. Começou a participar de eventos de bikes e a treinar para melhorar seu desempenho. "Tenho várias limitações, tive que adaptar até o freio da bike, mas dou meu jeito", disse Norma. Nem mesmo uma queda da bike com costelas quebradas a fez desanimar. "Mirai me surpreendeu. Achei que não iria conseguir porque era muito morro. Fui subindo e superando cada um deles. E fiz todo o trajeto.  Fiz novas amizades e amei o percurso. As meninas da organização estão de parabéns! Fui a última a chegar do meu trajeto, mas cheguei!"
Assim, mais uma vez a Norma deu uma verdadeira aula de superação, dizendo que toda doença é difícil, mas que é a nossa cabeça quem define nossas ações e procura manter a mente sã, tendo a bicicleta como seu melhor remédio.


Por onde passou, Norma espalhou sorrisos. Foto: Jonathas Abrantes(Ultra Fotos)

Em ritmo de incentivo
Além de servir como incentivo para que o ciclismo off road tenha mais adeptos, eventos da mesma natureza do Mirahy Cycle Tour que funcionam como um encontro de MTB’s, começaram também a criar um incentivo para que ciclistas aflorem seu espírito competitivo. O evento foi adepto ao “segmento premiado” que é uma pequena competição em apenas um determinado trecho, não mais de 1km de extensão, em uma subida selecionada, na qual os tempos e classificação são feitos por um aplicativo, no caso, o Strava.
O trajeto foi composto por dois circuitos, sendo um Elite de maior quilometragem e dificuldade técnica, outro intermediário, mais brando. Assim, todos tinham como escolher o percurso de acordo com sua capacidade. Nos dois circuitos havia o segmento premiado.
No circuito Elite, a “Subida do Sapé” teve como Rei da Montanha o participante Alexandre Dias e a Rainha da Montanha foi Amélia Demarque. Já na “Subida do Vira Zói” a Rainha da Montanha foi Tatiana Savoia. Para os homens teve empate, com Vitor Flores e Paulo Savoia.

 Nem só de subidas vive um ciclista. Descidas rápidas e técnicas mostraram a qualidade de terreno que Miraí tem para o MTB. Foto: Jonathas Abrantes(Ultra Fotos)

O evento tem proposta de passeio, mas atraiu também a atenção de atleta que possui currículo de destaque nacional. A exemplo, Cleber Guedes, de Juiz de Fora, tem no currículo os títulos de campeão mineiro de ciclismo de estrada, no MTB foi campeão brasileiro, campeão carioca e campeão no ranking  brasileiro de ciclismo, que não deixou de ir curtir ao encontro. Ele comentou: “O mais top que participei, a começar pela recepção. Fui abraçado! O café  foi servido com fartura, o passeio pela cidade, o circuito com um maravilhoso visual, os pontos de abastecimento com frutas e água gelada, sendo 5 no total. O almoço estava delicioso, acontecendo junto o sorteio de brindes, com um troféu de participação que chamou minha atenção.  Quero agradecer a belíssima equipe de organização pois o evento foi SHOW DE BIKE! Ano que vem estarei de volta”.

 Cleber Guedes, o Clebim, fotogrando a estação da cidade em selfie. Foto: Eduardo Almeida

Organização e apoio
A organização do evento foi feita através da união dos dois grupos de ciclismo da cidade: o grupo Pedal Rosa é formado em seu maior número por mulheres e o grupo Pedal Miraí que é o mais antigo e tradicional. Cada um deles ficou por conta de uma parte do evento, cumprindo todas as necessidades para que os ciclistas fossem atendidos.
Luciana Fortuce, representando a organização, disse: “A realização desse evento é como a realização de um sonho! É gratificante para nós coletar os resultados. Nós do Pedal Rosa, sempre que pedalamos, conversamos muito e sonhamos juntas para que esse evento acontecesse. Juntamente com Pedal Miraí, arquitetamos esse evento que foi um sucesso. O tema escolhido ressaltou as fazendas centenárias que são lindíssimas, com paisagens de tirar o fôlego! Vamos trabalhar no próximo evento com o mesmo carinho e dedicação”.
O primeiro Mirahy Cycle Tour teve patrocínio de Fortuce Embalagens, Lider Material de Construção, Money Produções, Mercado Oliveira, Drogaria Crescente, Camargo Inox, Ebenezer Biscoitos, Açougue do Gilmar e Botique Regina Fortuce. Contou com apoio da Prefeitura Municipal de Miraí e da Polícia Militar.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Bike Race Brasil teve ultima prova da copa realizada em Ubá

Cerca de 320 atletas marcaram presença na prova mais difícil da temporada.

Atletas estavam alinhados na largada e desconheciam o tamanho do desafio que foi reservado para a última etapa da copa de mountain bike. Foto: Ozzy Ramos.

A primeira etapa da copa Bike Race Brasil foi realizada na cidade de Visconde do Rio Branco, no mês de março.  Com um trajeto elogiado pelos participantes da prova, a última etapa foi marcada pelo sol intenso e muita poeira, bem diferente do clima da segunda etapa realizada na cidade de São Geraldo, em junho.  Por se tratar de uma prova de ranking nacional, somado ao fechamento de ranking de copa, foi estimado em torno de 2000 pessoas de público com os 320 atletas alinhados na largada, no dia 24 de setembro.
Essa última etapa, realizada em Ubá, cidade conhecida no meio dos ciclistas por abrigar o maior evento regional de encontro de mountain bikes, revelou um terreno duro e um clima causticante, nos 62km de prova. Em determinados locais a poeira chegava a formar bolsões que provavam a habilidade dos atletas na pilotagem de suas bikes. Foram muitos trechos selecionados de trilhas, onde algumas delas exigiram técnica dos ciclistas, tanto em subidas quanto em descidas. A proposta da Bike Race Brasil ficou bem evidenciada a cada etapa, sendo coroada com um fechamento digno das melhores provas do Brasil.




Trechos técnicos aguçaram a habilidade dos participantes, com single tracks fantásticos. Foto: Ozzy Ramos.

Cronometragem perfeita, apoio bem distribuído, suporte e excelente sinalização, a copa deixou marcas nos participantes que já anseiam pela temporada de 2018. Os ciclistas que participaram das 3 etapas exibiram a mandala formatada pela junção das medalhas de participação conquistadas durante a copa, reservando lugar especial nos quadros particulares de recordações de provas.

 

Mandala deixou boa impressão de cuidado da organização em relação à premiação de participação da copa. Foto: Evandro Lima.


Sandra Dias, atleta, comentou: “Foi uma prova de superação, no percurso mais duro que já corri até hoje, com subidas intermináveis e o sol escaldante. Mas eu estava muito bem preparada, o que resultou no primeiro lugar desta etapa e também primeiro lugar na copa”. Sobre o conjunto das provas, Sandra ainda completou: “As três etapas foram muito pesadas e com muita dificuldade técnica (...) sendo a de Ubá a mais pesada, pra fechar com chave de ouro”. Convidou ainda as mulheres para mostrar a força feminina do esporte, mesmo que não estejam preparadas para um circuito tão longo, pois a organização sempre prepara um circuito reduzido para participantes menos experientes.


 
Atleta Sandra Dias enfrentando um dos trechos da prova, com o trajeto repleto de poeira e com muito sol. Foto: Ozzy Ramos.

Ainda sobre a copa, Evandro Lima, assíduo participante da Bike Race Brasil, comentou: “As 3 etapas foram muito bem organizadas, com percursos divertidos e desafiadores para todos os níveis de atletas . A impressão que deixa é que toda a equipe está numerosa, calculando a quantidade e qualidade do apoio durante o trajeto. A atenção da organização para com os participantes mostra o empenho que certamente vai resultar no crescimento do evento nos próximos anos”.
Os campeões das categorias de Elite, principal da modalidade do MTB Maratona foram Felipe Marques da equipe Team UFF e Roberta Stopa da equipe Soul Cycles.
Bike Race Brasil é um projeto da X5 Bikers, com patrocínio Master: Drogarias América, MBC e Pedaltec; Ouro: Rádio Líder FM, ERT Uniformes, Cicle do Tãozinho, Diver Bike, Tereza Bike, Gigante Boliche e Churrascaria, Gelovita, Ana Costa Maison, Supermercados Vieirão, Buffet Edir & Rosa, Pneus Vallone, Studio Personalle.


Bike Race Brasil em números:



Etapas
Cidades
Distancia
Altimetria
Atletas
1
Visconde do Rio Branco
64km
1500m
285
2
São Geraldo
64km
1400m
291
3
Ubá
62km
2200m
324






Totais
190
5100
900


(km)
(m)
(atletas)


_________
Texto: Eduardo Almeida

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Ciclistas de Muriaé conquistam pódio na Copa Internacional de MTB



Pódio da CIMTB da categoria Dupla PRO com Muriaenses.

Uma das principais provas do Brasil, considerada também uma das etapas mais difíceis da temporada, a competição realizada na cidade de Congonhas – MG, que utiliza um trecho da Estrada Real como percurso, tem terrenos variados, evidenciando as dificuldades inerentes à raiz do esporte.
Foram 3 dias de provas onde os melhores atletas do país, além de alguns atletas internacionais, puderam mostrar força e técnica em provas ‘Eliminator’ e ‘XCM – Cross Country Maratona’.
Os atletas de Muriaé, do grupo de pedal conhecido como ‘Monsters’, juntaram-se para ir na competição e acabaram participando efetivamente da festa do MTB, até na hora da premiação. Lucas Trocilo, Fabrício Mendes, Luiz Pereira, Marcus Vinicius Pimentel, Abílio Almeida e Eduardo Miranda, seguiram para Congonhas com a finalidade de terminar as provas no menor tempo possível, quando o simples fato de finalizar uma maratona desse tipo já é um grande feito.

 Luiz, Elias, Eduardo, Fabricio e Lucas (da esquerda para direita) 
fizeram festa em Congonhas.

A surpresa aconteceu na categoria “Dupla PRO”, onde os atletas muriaenses Lucas e Fabrício, subiram no pódio na quarta colocação, sendo o melhor resultado dos conterrâneos nessa prova.

 Fabrício Mendes e Lucas Trocilo no fim da prova.

Lucas, que é advogado, começou a pedalar em 2012 com a finalidade de emagrecer, declara que a bicicleta se tornou uma paixão e vício. “A minha preparação foi feita com treinos diários, intercalando dias mais intensos e dias de descanso, que foram intensificados nas últimas semanas. Ainda contei com a orientação do meu Fisioterapeuta Luan Araújo, treinos de força feitos na academia Center Fit e acompanhamento nutricional com o nutricionista Rafael Savóia”. E ainda completou dizendo:  “Sem sombras de dúvidas foi a competição mais dura que já participei até hoje”.
Que esses atletas sirvam de inspiração a todos aqueles que buscam qualidade de vida e uma boa dose de aventura sobre duas rodas.


Texto: Eduardo Almeida
Fotos: arquivo pessoal dos atletas