quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Evento ciclístico realizado em Ubá está entre os maiores do Brasil

“Monstruosa” foi o termo usado por alguns ciclistas para descrever a estrutura do evento que aconteceu em Ubá, reunindo mais de 1000 ciclistas, nos dias 3 e 4 de setembro.

Bicicletas e uniformes cheios de cores deram vida às ruas de Ubá.
Foto: José Marcio Moreira Junior.

Centro cultural e de formação técnica, muito conhecida pelas indústrias moveleiras, a cidade de Ubá é uma das que mais crescem na Zona da Mata. Nesse mesmo vetor, o ciclismo que também cresceu e hoje ocupa o segundo lugar em esportes no Brasil, atingiu o ápice em números no evento que revelou as belezas locais a mais de 1000 ciclistas.
Na década de 1980, Ubá foi considerada a cidade das bicicletas. Por ser polo moveleiro, a população usava a bicicleta como meio de transporte. Na década de 1990 começaram a aparecer os primeiros ciclistas voltados para o cicloturismo, usando principalmente as Mountain Bikes, que são as bicicletas para qualquer terreno. Além do histórico com a “magrela”, a cidade tem uma zona rural rica em estradas de terra, trilhas e atrativos como cachoeiras e riachos, tendo todos os elementos para incentivar ciclistas esportistas.
Com um trânsito urbano intenso, uma das apostas de eventos dessa natureza, é impactar na Mobilidade Urbana. A bicicleta é vista nos países e cidades desenvolvidas como o veículo sustentável capaz de salvar as pessoas dos grandes problemas de trânsito e tráfego. Por isso, há 3 anos, alguns ciclistas de Ubá uniram forças para juntar todos os elementos naturais, os ideais de mobilidade e, pra fechar graciosamente a conta, envolver uma instituição de apoio social para promover um evento 100% beneficente, já na sua 2ª edição.

Uma extensa fila de ciclistas foi vista por diversas estradas de terra.
Foto: José Marcio Moreira Junior.

Ação Social
A ação social do evento foi a doação da renda para a APAE da cidade, que resultou no valor de R$37.000,00. De acordo com a organização, é o segundo ano que a renda é destinada à APAE. Outra instituição beneficiada foi o Patronato São José, que recebeu a quantia de R$4.200,00 resultante da cobrança do estacionamento e ainda recebeu mais de 500kg de alimentos não perecíveis, mostrando a capacidade de mobilização dos ciclistas para as ações beneficentes.
"Sempre gostei de Minas Gerais mas dessa vez o que me motivou a ir foi justamente o cunho social do evento", disse o ciclista Rodrigo Padilha, da cidade do Rio de Janeiro.

O evento
A estrutura de arena foi montada no Pavilhão do Horto Florestal onde foi concentrada a maior parte das atividades. No dia 3, os ciclistas visitaram estandes e as crianças se divertiram com Girinho de Ubá, onde 70 pequeninos pedalaram por aproximadamente 2km. Para os adultos a diversão ficou por conta das atrações musicais e do Desafio de Cross Country Olímpico, numa pista de 4,5km que existe há 8 anos, onde somente ciclistas experientes puderam participar.
No dia 4, após o café da manhã, os mais de 1000 ciclistas partiram pelas estradas de terra, subindo a serra para Ubari, descendo pela serra do Visual, retornando pela estrada de Miragaia, distritos de Ubá. Os participantes do desafio Rei e Rainha da Montanha tiveram uma surpresa: uma trilha de alta exigência técnica e esforço físico, a Trilha da Santinha de Ubari.
De volta à arena, os ciclistas foram recebidos com almoço e mais atividades festivas. Pelo recinto do evento passaram mais de 3500 pessoas que curtiram som ao vivo das bandas convidadas, como Balaio, John Clay, Soute, Bráulio Hilário e Combate. As bandas doaram todo o cache em prol da APAE

Rodrigo Rosseti curtiu as descidas e passagens por água do trajeto.
Foto: José Marcio Moreira Junior.

De acordo com o ciclista Rodrigo Rosseti, de Guarani, destacou que “o diferencial foi o grande número de ciclistas andando juntos, num trajeto super legal, com visual surpreendente do topo da serra, com um pouco de subidas pesadas e boas descidas onde a bike rendia bem”.


O ciclista Walmir Rodrigues finalizando a subida da serra.
Foto: Jonathan Marques Abrantes

Walmir Rodrigues, também de Guarani, disse que “os organizadores estão de parabéns pela belíssima e organizada estrutura que foi montada”. Walmir levou seu filho Gustavo, de 11 anos, que fez todo o percurso Elite, que disse: “pai, vamos no trajeto bruto!". Gustavo cumpriu os 47km de pedalada em 3h e 47min, como se fosse gente grande.


O pequeno e destemido Gustavo em ação durante na travessia de água.
Foto: José Marcio Moreira Junior.

A organização destacou em rede social a presença de ciclistas que se deslocaram dos estados de Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo, para prestigiar o evento em Ubá.

Apoio
O Giro de Ubá teve patrocínio máster da Kaiser Raidler e patrocínio ouro da Diver Bike, Tereza Bike, Pedaltec, Facilita Telecom, Orthocrin, Unimed, Rádio Educadora, Fagoc e Eject.

____________________
Texto: Eduardo Almeida
Fotos: Ultra Fotos

Ciclistas realizaram uma volta no entorno do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro para cumprir desafio pessoal

Durante o percurso de mais de 200 km, os ciclistas acumularam subidas equivalentes a 2 vezes a altura do Pico da Bandeira, do mar ao topo. Desafio foi concluído em 21 horas.

Estradas começam a virar trilhas e se tornam atrativas para o esporte do Moutain Bike.

O Parque Estadual da Serra do Brigadeiro é uma unidade de conservação situada na Zona da Mata Mineira que abrange áreas de 08 municípios, dentre eles, Fervedouro no qual  fica a sede e, também, Muriaé que é um dos polos regionais. O Brigadeiro guarda uma grande variedade de espécies arbóreas e é conhecido por ser o habitat dos macacos Muriquis.
Existem estradas de terra que circundam o perímetro do Brigadeiro, nas quais, em alguns trechos, chegam a ser identificadas como trilhas, com passagens em riachos e plataformas de pedras. Em muitas partes, as estradas passam em áreas de amortecimento da preservação ambiental. Além disso, possuem algumas subidas íngremes e terreno de pequenas pedras soltas. Em outras partes, as estradas são de chão batido, motoniveladas, porém pouco planas em toda sua extensão.
Com esses ingredientes, os ciclistas que estavam participando do “Desafio dos 200”, encontraram o terreno perfeito para desafiarem seus limites físicos e psicológicos, em contato com a natureza local, passando por pequenas comunidades rurais.
O Desafio dos 200 é uma prova de uma modalidade chamada Desafio Individual por Traçado na qual  o atleta deve percorrer no mínimo 200km, com o máximo de 20% de vias asfaltadas, buscando áreas de grande variação altimétrica para que possa classificar. A façanha é gravada em um aplicativo chamado Strava no qual um moderador analisa o arquivo gerado, validando ou não o desafio. Moda na Europa, a modalidade embarcou no Brasil e foi sucesso em 2015.

Em algumas partes, as subidas eram tão íngremes que os ciclistas tinham que empurrar as bicicletas morro acima.

O projeto de Cicloturismo da ABRIGA – Associação dos Municípios do Circuito da Serra do Brigadeiro:
“Eles tinham um projeto de executar um desafio, enquanto, por outro lado, nós da ABRIGA, estamos em fase de implantação do projeto Rota Parque Brigadeiro que produzirá forte impacto para o turismo em nossa região. O Cicloturismo é uma das modalidades que serão contempladas pelo projeto da ABRIGA, além de caminhada, jeep tour e cavalgada. O grupo de ciclistas realizou a volta do brigadeiro, testando caminhos, coletando dados importantes para o planejamento da rota que envolve o cicloturismo. Distâncias, altimetrias e velocidades por trechos são dados que vão nortear os ciclistas que, futuramente, virão realizar a Volta do Brigadeiro”, anunciou Marco Antônio, gestor da ABRIGA.
Os ciclistas já faziam parte dos planos da ABRIGA com a finalidade de desenvolver o projeto de cicloturismo na região.

Os ciclistas passaram por diversas comunidades rurais durante o desafio, como o povoado de Santana.

Desafios do caminho:
“Apesar da dificuldade natural do esporte, do frio da madrugada, das subidas intermináveis, da fome e da sede, a paz que sentimos na região do Parque do Brigadeiro foi tremenda. Encontramos poucos veículos passando pelas estradas. Sons de água, de pássaros e o encontro de  pessoas solícitas são as recordações que superaram as dores musculares. Nem mesmo pneu furado tivemos nesse dia”, relatou Eduardo Almeida, um dos participantes.
 “Tenho uma história de nascimento nos pés das montanhas do Brigadeiro. Concluir esse desafio e fazer parte desse projeto de criar um roteiro de cicloturismo é muito gratificante. Não vejo a hora de retornar e refazer os trechos em 3 dias pedalando por trilhas adicionais, visitando cachoeiras e curtindo o contato com as comunidades locais”, comentou Sérgio Barata, outro participante.  Já para o atleta amador Victor Santos, “é um trajeto desafiador até mesmo para quem está acostumado com provas duras de Mountain Bike. Caí nos primeiros quilômetros do percurso e completar foi uma superação. Espero ansioso pelo dia de realizar o trajeto podendo encontrar no final de cada dia com a minha esposa, que certamente estará no comboio do cicloturismo, curtindo outras atividades”.
De acordo com as informações apuradas, foram os primeiros 3 ciclistas a realizar o feito de dar uma volta completa ao redor do Parque do Brigadeiro, totalizando 21 horas de contato com a bicicleta. Os ciclistas saíram às 4h da manhã de Belisário, no sábado dia 23 de julho, passando por Pedra Bonita, Araponga e Rosário das Limeira, retornando ao mesmo ponto à 1h da manhã de domingo, dia 24. Não tiveram nenhum carro de apoio disponível, levando em suas mochilas reparos de câmaras de ar, ferramentas, alimentos e suplementos. O Desafio dos 200 será finalizado no dia 31 de agosto e os resultados divulgados em setembro. Os participantes são de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo, totalizando 314 inscritos.
O projeto Rota Parque Brigadeiro que visa realizar a volta do Brigadeiro continua sendo desenvolvido pela ABRIGA  junto ao grupo de apoio e a previsão é que seja lançado ainda este ano, em um evento teste, onde será gravado um documentário, explorando diversas atividades complementares, como passeio em 4x4, café e almoço em fazenda e visita guiada em cachoeiras da região.
Mais informações sobre os roteiros de ecoturismo e cicloturismo podem ser acompanhadas pelo site/blog da instituição: http://ctserradobrigadeiro.blogspot.com.br/

Os 3 ciclistas pedalaram os 203km em 21h com 3 paradas para alimentação e outras pequenas paradas para hidratação.



____________________
Texto: Leo Lima
Fotos: Eduardo Almeida