domingo, 3 de janeiro de 2016

Miraí terá sua história revelada através da bicicleta: cicloturismo é a base do projeto

Grupo de ciclistas praticando   Mountain Bike  - Foto Hudson Malta

A bicicleta tem forte apelo para a mobilidade urbana das grandes cidades e na zona rural ela ganha espaço no esporte competitivo e também no cicloturismo.

A pequena cidade de Miraí, em Minas Gerais, guarda uma belíssima história da era escravagista brasileira e da época do café e suas fazendas centenárias. Vales, montanhas, estradas de terra e trilhas, com muita água canalizada em ribeirões naturais, a natureza se mantém bem reconstituída e equilibrada, mesmo após o uso intenso das terras para as
plantações de café. Montanhas e serras íngremes, onde os aficcionados pela bicicleta ‘todo terreno’, ou Mountain Bike, ou ainda MTB para os mais íntimos do esporte, podem se desafiar em subidas longas e difíceis, também com descidas técnicas em estradas que se transformam em trilhas. Usando a bicicleta como veículo, os participantes poderão passar por pontos escondidos pelo tempo, em contato pleno com a natureza bem diversificada da região, dentro de diversos eventos que vão formatar um calendário de um audacioso projeto.
Do mesmo criador do Projeto Rio das Ostras Cidade Bike, que colocou a cidade carioca no cenário estadual, nacional e internacional do ciclismo esportivo, Eduardo Almeida é mineiro de coração e criação. “Minha adolescência foi em Muriaé, onde sempre pedalava para ir ao sítio que fica na Ventania em Miraí. Desenvolver um projeto na região é uma devolução moral que preciso pagar pelos momentos de puro prazer sobre a bicicleta, explorando estradas e trilhas , que curti desde pequeno”, comenta Eduardo sobre a paixão pelo local.
O ciclismo é um dos esportes que mais crescem no mundo. Isso se dá por ser individual, não necessitando formação de grupos para a prática, onde cada um pode escolher o grau de dificuldade do seu treino, tempo de duração, além de permitir aventuras em áreas urbanas e rurais. A bicicleta não provoca impacto nas articulações, fortalece a musculatura e promove o equilíbrio do peso corporal com rapidez.
O projeto que terá a cidade de Miraí como base vai impactar toda a região. Vai englobar cicloturismo em grupo, eventos competitivos e ações sociais. Dentro do cicloturismo os participantes possuem uma meta de desafio para cumprir, passando por uma rota determinada, contando com apoio em determinados pontos do trajeto. Nos eventos competitivos os atletas são divididos em categorias por faixa etária, possui classificação e premiação dos melhores colocados. As ações sociais definidas são de manutenção de uma escolinha de Mountain Bike, informática, integração com entidades e órgãos como CRAS, palestras em escolas sobre o uso da bicicleta e também produção de vídeo para os adolescentes da localidade de Ventania.
“A região de Miraí, especialmente a parte serrana, possui grande beleza e oferta o desafio na medida certa para aqueles que curtem o Mountain Bike de verdade. As fazendas e sítios são de pessoas muito receptivas e convidam os ciclistas para um café com prosa quando muitas vezes queremos apenas um pouco de água. Pedalar ao som de água corrente formando cachoeiras, entrar numa pequena mata, avistar do alto da serra os vales no fundo, passar por casas e fazendas antigas, tudo isso tem que ser mostrado para as pessoas da região, do estado, também de outros estados. As fazendas históricas são belíssimas, algumas no seu estado natural, outras com reformas suntuosas, tornam-se parte do contexto de diversos circuitos que já foram mapeados”, afirma Eduardo Almeida. De acordo com o organizador, há interesse de canais fechados de TV, revistas, sites e blogs especializados no ciclismo, no acompanhamento do projeto. “Vamos iniciar em Miraí da mesma maneira que começamos em Rio das Ostras, de forma pequena, simples, mas visando executar provas de ranking estadual e nacional, podendo chegar até em chancelas internacionais, de acordo com a captação de parceiros e também com a inclusão da Lei de Incentivo ao Esporte, no futuro”, completa. Atualmente é Diretor de Mobilidade Urbana na cidade de Rio das Ostras e Diretor de Projetos na Fecierj – Federação de Ciclismo do Estado do Rio de Janeiro – mas visa o retorno às terras mineiras.


Eduardo Almeida (esq) e Prefeito José Ronaldo Milani (dir) - Foto Ozeas Vital Ramos

As primeiras atividades serão divulgadas em fevereiro de 2016. O projeto foi apresentado ao prefeito José Ronaldo Milani, que já se colocou à disposição para o fortalecimento das ações e das fases de execução. Os ciclistas da cidade são colaboradores ativos para que a cidade de Miraí se transforme no polo do Mountain Bike da região.


Texto: Leo Lima

Nenhum comentário:

Postar um comentário